O Dakila Pesquisas

No topo do mundo eu sentei e percebi que estava sozinho!

De nada adiantou a minha caminhada, a minha forma física-espiritual, a minha vontade de vencer os obstáculos se, agora, diante da minha vitória, eu percebi que estava sozinho; de que adiantou o troféu que eu recebi se todas as pessoas que eu convivo não reconhecerão o valor daquilo que eu alcancei.

A minha caminhada se transcorreu de forma diversificada, muitas vezes eu ouvi o barulho da mata e agradeci a vida que vibrava naquele animalzinho; muitas vezes ouvi o som de pássaros e agradeci pela liberdade que eles representam; outras vezes eu senti o cansaço, que esgotava as minhas forças, e me revoltei contra as dificuldades normais do caminho; e ainda, algumas vezes, eu percebi que papel eu estava desempenhando quando poderia estar bem distante no ambiente artificial de um shopping center refrigerado.

Agora que vi as névoas sob os meus pés, a floresta como um tapete multicolorido de vida natural eu percebi que estava vazio!

De nada adiantou a minha engenharia genética, a minha estrutura emocional se, diante da minha intensa alegria, todas as pessoas que eu conheço não entenderão a profundidade da minha conquista.

A minha caminhada precisa ser revista. Acredito que poucos passos foram dados com a minha consciência cósmica comandando os meus feixes de músculos. Apesar de sentir que eu estou no ponto final da minha satisfação.

Sinto que tudo o que passou me leva a rever a minha vida. Eu preciso guardar a minha vitória e despertar os outros para que só então, de forma compartilhada, um objetivo coletivo possa ser atingido.

Eu aprendi que o valor da batalha vencida deve estar na perda zero de companheiros de caminhada.

É preciso recomeçar com humildade, aprendendo com o outro muito mais do que ensinando, respeitando mais do que sendo respeitado, revendo a minha arquitetura espiritual, retirando todas as perspectivas sociais impregnadas em minha células e voltando o meu coração para a simplicidade do exemplo do Mestre Jesus Sananda.

Oh Luz Cósmica que preenche os vazios da minha existência!

Oh Energia Divina que me capacita com asas para sonhar!

Oh Deus Imaculado de Sublime Perfeição que me ensina a ser feliz como consequência natural do ato de viver!

Oh Força Telepática que ilumina a minha mente e me faz perceber as minhas limitações humanas!

Me ajude a reconhecer a simplicidade absoluta que reina sobre todas as coisas.

Me ajude a reconhecer que o meu coração é um portal dimensional para o Plano da Divindade.

Publicado por: Gildásio Starling

Gildásio Starling
Administrador de Empresas com Pós-graduação em Administração Financeira e Investimentos, Pesquisador de Ciência Lilarial do Dakila Pesquisas.

Interaja conosco. Comente abaixo